terça-feira, 3 de maio de 2016

2ª LEI DO LIVRO BIOÉTICA DE DARLEI D'AGNOL




Olá caros leitores,

Estamos aqui novamente em nosso breve encontro para levar aos senhores informações importantes sobre prevenção e tratamento de diversas doenças, contudo iniciaremos o nosso encontro semanal com a segunda lei do livro de Bioética de Darlei D'agnol.
Vejamos:

2ª LEI DO LIVRO BIOÉTICA DE DARLEI D'AGNOL

2ª LEI: A não-maleficência


Esse princípio se refere ao fato de que o médico não deve, sobre hipótese nenhuma, causar dano. Ou seja, se não houver possibilidade de cura, então o profissional deve ao menos evitar causar algum mal ao seu paciente.
Podemos tomar por dano as seguintes ações (embora a lista de danos não seja restrita somente às que serão citadas): matar, causar dor ou sofrimento, incapacitar, ofender ou negar bens necessários à vida.
Devemos nos lembrar de que os princípios não absolutos, mas que em conjunto, devem funcionar em perfeita harmonia. Para ilustrar isso de forma prática, podemos usar como exemplo a quimioterapia.
A quimioterapia é um tratamento devastador, com efeitos colaterais que são dolorosos e causam sofrimento não só aos pacientes, mas também às suas famílias. Se o princípio da não-maleficência fosse absoluto, milhares de pessoas morreriam de câncer pois seriam negadas acesso à quimioterapia; o médico pode ter como prioridade o princípio da beneficência, que é de fazer o bem, que nesse exemplo é curar os pacientes com câncer.
Entretanto, em alguns casos, a não-maleficência deve preponderar, quando há risco de morte devido ao tratamento ou quando as chances de curas são por demais diminutas para justificar o dano causado pela quimioterapia.


Nenhum comentário:

Postar um comentário